quarta-feira, 20 de setembro de 2017

“O Cemitério”, de Stephen King, pode ser adaptado para os cinemas




It: A Coisa já é um sucesso estrondoso e Andy Muschietti — o diretor do filme — já está dando pistas de filmes que gostaria de trabalhar depois que terminar a adaptação de It. Em uma entrevista a revista EW,  Muschietti disse que, se pudesse escolher uma nova obra de Stephen King para adaptar, escolheria “O Cemitério“, o primeiro livro de King que ele leu na vida. Ele declarou:

“Minha afeição por O Cemitério vai seguir comigo até eu morrer. Eu sempre sonharei com a possibilidade de fazer um filme dessa obra.”

A irmã de Andy e produtora dos filmes do diretor, Barbara Muschietti, revelou que eles inclusive já leram roteiros de uma adaptação do livro e que gostariam de fazer justiça a obra caso produzissem o longa:

“Vamos ver quem consegue fazer esse filme antes! Mas Cemitério foi o primeiro livro do King que nós lemos e é o livro mais pessoal dele. Você consegue imaginar a sua jovem família. O que ele vai fazer pra manter sua família? Até que ponto ele vai chegar? Mas nós gostaríamos de fazer justiça ao livro da mesma forma como fizemos com It: A Coisa. As versões que lemos nos últimos anos, na nossa opinião, não representam bem o livro.”

Mas o diretor do filme de terror mais bem sucedido da história tem uma competição grande pela frente, Guillermo Del Toro também tem interesse em adaptar a obra:

“Livro do dia: O Cemitério de Stephen King. Muito sombrio e emocional. Li compulsivamente. Mataria alguém pra fazer um filme disso.”


Por enquanto Andy Muschietti só está agendado para dirigir o capítulo 2 de It: A Coisa, que deve estrear em 2019.


quinta-feira, 14 de setembro de 2017

Novo livro de Dan Brown, 'Origem' - Leia o primeiro capítulo

Romance que traz como protagonista Robert Langdon chega às livrarias no dia 3 de outubro


O professor Robert Langdon está de volta após quatro anos de espera. A Editora Arqueiro, que publica a obra do best-seller Dan Brown no Brasil, divulgou hoje o primeiro capítulo de "Origem", o novo romance do escritor, que chega às livrarias do mundo todo no dia 3 de outubro.


Principal protagonista dos romances do best-seller americano Dan Brown — presente em "Anjos e demônios" (2000), "Código Da Vinci" (2003), "O símbolo perdido" (2009) e "Inferno" —, o professor de Harvard, especialista em simbologia e iconografia religiosa, viaja para Bilbao, na Espanha, acompanhar o anúncio de uma descoberta que iria mudar a ciência para sempre.

O responsável pela apresentação no icônico Museu Guggenheim é Edmond Kirsch, um bilionário de 40 anos que se tornou globalmente conhecido por suas invenções tecnológicas e suas previsões audaciosas. Kirsch foi um dos primeiros alunos de Langdon em Harvard e promete responder a duas questões fundamentais sobre a existência humana.

No meio do evento, entretanto, irrompe o caos e a descoberta pode ser perder para sempre. Ao lado da diretora do museu, Ambra Vidal, ele voa para Barcelona numa saga para localizara senha que pode abrir o segredo de Kirsch. A trama, bem ao estilo de Brown, mistura fatos históricos, extremismo religioso e arte.

Leia AQUI o primeiro capítulo.

sexta-feira, 8 de setembro de 2017

Leia trechos da biografia 'Rogéria — Uma mulher e mais um pouco'

Livro escrito por Márcio Paschoal foi lançado em outubro de 2016


Há um ano, Rogéria, nascida Astolfo Barroso Pinto, repassou sua trajetória na biografia "Rogéria — Uma mulher e mais um pouco" (Sextante), assinada pelo jornalista Márcio Paschoal. A atriz e cantora morreu na noite dessa segunda-feira, aos 74 anos. Leia trechos:

As reinações de Tofinho

Astolfinho não gostava de brincar de bonecas (na verdade, tinha pavor delas), mas já se notavam nele alguns trejeitos femininos. Descia as escadas puxando um pano, como se fosse um vestido longo. Alguns comentários de que o filho parecia uma menininha não abalariam nem modificariam o comportamento de sua mãe.

Com espírito de liderança, Astolfinho logo se tornou chefe da sua turma de amigos. Falante e carismático, comandava o grupo que se aventurava pela vizinhança, descobrindo novidades. Havia uma ponte nas proximidades, e os meninos iam lá para pegar rã. Tofinho deu com uma cobra-d’água e ficou em pânico, histérico. Os meninos estranharam, mas ninguém se atrevia a zombar dele. Tinha faniquitos, mas era bom de braço. Todo mundo já desconfiava que ele era meio viadinho, mas ninguém falava nada. Pelo menos, na sua frente.

Adolescência

A cada dia aumentava nele a vontade de se vestir de mulher. Seria uma forma de se expressar, relacionada a roupas, sapatos, maquiagem, adereços e acessórios, enfim, com a caracterização feminina. Já se sentia meio mulher, e era como se, ao se vestir assim, acalmasse uma angústia com a qual ele mesmo não conseguia atinar. Era Carnaval, e Astolfinho, então com 14 anos, viu ali uma oportunidade única: colocou um maiô Catalina preto, uma saia amarela e um chapeuzinho para disfarçar o cabelo curto. Não se maquiou nem pôs peruca. Era o suficiente. Todos que passavam por ele mexiam “Que lindinha!”, “Vai aonde, gracinha?”. Astolfinho estava adorando. O azar foi sua tia Neusa o flagrar passando e logo contar a Eloah. Resultado: uma bronca daquelas e, como castigo, o fim do Carnaval para ele. Na realidade, a bronca da mãe não era propriamente por ele se fantasiar daquela maneira, mas sim por deixar-se ser visto.

O padrasto

Astolfo vivia a postura mais neutra dos travestis. Não precisava sobreviverda venda de sexo, não se intoxicava de drogas e álcool, não deformava o corpo com injeções de silicone industrial ou óleo Nujol, não passava pelas agruras que eles passavam na tênue linha que separava o normal e o aceito da marginalidade. Astolfo era gay e adorava fantasiar-se de mulher, mas não praticava o estilo travesti de vida. Também se sentia feliz como homem. Especialistas em sexualidade entendem que os travestis, em sua grande maioria, são biologicamente identificados com o seu sexo de nascimento. O padrão comportamental é sentirem-se, ao mesmo tempo, como homens e mulheres, não cogitarem mudar o sexo biológico e terem, geralmente, atração por pessoas do mesmo sexo.

A transformação

Com os hormônios, cabelos louros, depilada e magra, unhas longas e quadradas (dica dos tempos de vedete com Carmen Verônica), só lhe faltava uma correção no nariz. A cirurgia de um dia foi realizada numa clínica no 6ème arrondissement. Pronto! O encontro de Astolfo com seu lado mulher estava terminado. Agora Rogéria passaria a incorporar o lado feminino em seu cotidiano parisiense 24 horas por dia. O teste final aconteceria no metrô de Paris, entre as estações de Pigalle e Montparnasse, na companhia da transformista Dany Dan e da transexual Capucine. “Vamos ver se você passa por mulher, vagabunda, bicha ou homem”, disseram. Rogéria, de rabo de cavalo, vestido simples e um salto não muito alto, recebeu alguns olhares de cobiça, mas ninguém riu nem debochou dela. A maioria das pessoas sequer tomou conhecimento. Rogériahavia passado no teste, com louvor. Estava pronta. Overedicto foi de Dany: “Tu es prêt à voler!” Você está pronta para voar.

Leia mais aqui.

Fonte: O Globo


terça-feira, 29 de agosto de 2017

Livro "13 Razões para Votar no PT"



Chega às livrarias nesta semana o livro "13 Razões para Votar no PT" (editora Matrix). A obra satírica traz na capa frase de Marco Antonio Villa, da Jovem Pan ("o melhor livro que o Lula já leu"), e, nas orelhas, textos de Kim Kataguiri ("a maior obra jamais escrita por um petista") e de Danilo Gentili ("conseguiu descrever a inteligência e o caráter daqueles que defendem Lula e o PT"). Dentro, há 73 páginas em branco. O livro é cópia de "O que se Perde Sem Maluf", lançado nos anos 1980.


segunda-feira, 28 de agosto de 2017

Apenas 37% das editoras brasileiras produzem e vendem e-books

Censo do Livro Digital mostras que mercado ainda engatinha no Brasil


Apenas 37% das editoras brasileiras produzem e vendem e-books. Já as receitas com a comercialização de livros digitais representam 1,09% do faturamento total das editoras, alcançando R$ 42.543.916,96. Esses números, que revelam uma chegada ainda tímida dos e-books no país, foram revelados pelo 1º Censo do Livro Digital, uma iniciativa inédita do Sindicato Nacional dos Editores de Livro (Snel) e da Câmara Brasileira do Livro (CBL).

O estudo, realizado pela Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe), analisou dados relativos ao ano de 2016 de 794 editoras, das quais apenas 294 trabalham com livros digitais. O objetivo foi fazer um diagnóstico dos e-books no país que sirva de base para comparação nos próximos anos. A Fipe já realiza, anualmente, a Pesquisa Produção e Vendas do Mercado Editorial Brasileiro.

Para Marcos da Veiga Pereira, presidente do Snel, a primeira reação ao ver o resultado do censo foi de surpresa. Pereira ressalta que as obras autopublicadas nas plataformas da Amazon e da Saraiva não foram computadas porque as empresas não abrem os números.

— A surpresa foi a quantidade de editoras que produzem e comercializam e-books no Brasil. É um índice abaixo do que eu esperava — diz Pereira.

Já Luís Antônio Torelli, presidente da Câmara Brasileira do Livro (CBL), admite certa decepção com o número, mas acredita numa influência negativa da crise que afeta o setor há alguns anos.


— Estamos vivendo uma crise horrorosa. Temos observado uma queda do número de novos ISBNs (que reflete um número menor de lançamentos). O e-book ainda é uma novidade que exige investimento para ser bem feito. Acredito que as editoras estejam com o pé no freio — afirmou Torelli.

Fonte: O Globo

quinta-feira, 24 de agosto de 2017

Biblioteca Nacional lança aplicativo

Disponível para Android e IOS, aplicativo permite que o público consulte o acervo da instituição



Biblioteca Nacional lançou um novo aplicativo gratuito para as plataformas Android e IOS, que permite a consulta ao acervo da instituição a partir de dispositivos móveis.

O aplicativo oferece recursos de busca por título da obra, nome do autor e assunto; também é possível filtrar pelo tipo material – álbum, atlas, dissertação, gravura, livro etc. –, bem como pelo acervo no qual a obra está registrada, de acordo com classificação das obras no sistema da BN – Ausentes, Cartografia, Iconografia, Obras Raras, Manuscritos, Música, Periódicos, Periódicos Raros, Referência e Testes e Dissertações. Por fim, o usuário pode marcar a opção de busca apenas por objetos que possuem conteúdo digital associado.


Liana Amadeo, Coordenadora Geral do Centro de Processamento e Preservação da Biblioteca Nacional, justifica: “a Biblioteca Nacional ficou ainda mais acessível para estudantes e pesquisadores. Isso corta as amarras: você tem a Biblioteca Nacional literalmente na palma da mão”.

segunda-feira, 21 de agosto de 2017

Novo romance de John Green sai em novembro

Com tiragem inicial de 200 mil exemplares, Intrínseca lança em outubro ‘Tartarugas até lá embaixo’

Aguardado por milhões de leitores em todo o mundo, o novo romance do norte-americano John Green chega às livrarias no dia 10 de outubro. O livro Tartarugas até lá embaixo, já teve a capa na versão brasileira divulgada e é o primeiro lançado pelo autor em seis anos. 

John Green tem quatro best-sellers publicados no Brasil, todos pela Intrínseca, entre os quais estão “A culpa é das estrelas e Cidades de papel, adaptados para o cinema. De acordo com a editora, juntos, os livros venderam no país mais de 4,5 milhões de exemplares. Para o lançamento de Tartarugas até lá embaixo, a Intrínseca prepara uma tiragem inicial de 200 mil cópias. 


A trama da obra acompanha Aza Holmes, uma menina de 16 anos que decide investigar o paradeiro de um bilionário desaparecido misteriosamente. Aza faz de tudo para agir como uma grande detetive, enquanto tenta também ser uma boa filha, amiga e aluna. Paralelamente, ela precisa ainda encontrar formas de lidar com seu transtorno obsessivo-compulsivo (TOC). Tartarugas até lá embaixo é o mais pessoal dos livros de John Green, autor que desde criança teve a rotina afetada pelo TOC. Recheado de frases sublinháveis e repleto de referências à cultura pop, o livro fala sobre amizades duradouras, reencontros inesperados, fan-fics de Star Wars e estranhos répteis neozelandeses.


terça-feira, 20 de junho de 2017

Prêmio Sesc de Literatura 2017 anuncia vencedores

José Almeida Junior e João Meirelles Filho foram selecionados na categoria romance e contos


O potiguar José Almeida Junior e o paulistano João Meirelles Filho são os vencedores do Prêmio Sesc de Literatura 2017, nas categorias Romance e Conto, respectivamente. Os dois autores concorreram com os livros “Última Hora” e “Poraquê e Outros Contos”, que superaram outras 1.793 obras inscritas, sendo 980 romances e 813 contos.

Desde 2003, o Prêmio Sesc de Literatura escolhe um romance e um livro de contos ainda inéditos, de autores ainda não publicados. Os vencedores terão suas obras publicadas pela editora Record, com tiragem inicial de 2 mil exemplares. A avaliação ficou por conta de uma comissão especializada formada pelos escritores e críticos literários Andrea del Fuego, Luis Rufatto, Sidney Rocha e Ronaldo Correa de Brito.

Vencedor da categoria Romance com “Última Hora”, o potiguar José Almeida Júnior, de 34 anos, é natural de Mossoró (RN) e reside em Brasília há 10 anos, onde exerce o cargo de Defensor Público do Distrito Federal. O romance é uma narrativa histórica, que retrata o jornal fundado por Samuel Wainer, sob o ponto de vista de um repórter ficcional torturado no Estado Novo.

Ativista ambiental e empreendedor social, João Meirelles Filho, 57 anos, é o ganhador da categoria Conto com “Poraquê e Outros Contos”. Nasceu em São Paulo e há 13 anos vive em Belém do Pará. Seu livro trata da relação do homem e o desconhecido na Amazônia – seja diante do impacto de mudanças climáticas, seja das encantarias.

Os ganhadores da 14ª edição do Prêmio Sesc de Literatura estão confirmados na programação do Centro Cultural Sesc Paraty, durante a Flip 2017, que acontece de 26 a 30 de julho, e também serão premiados em cerimônia, no segundo semestre, por ocasião do lançamento dos livros.


quarta-feira, 14 de junho de 2017

Stephen King ironiza Trump após ser bloqueado no Twitter

'Fui bloqueado de ler seus tuítes. Talvez eu tenha que me matar', disse ele


O escritor Stephen King, de clássicos como "O iluminado" e "It", anunciou nesta terça-feira que foi bloqueado pelo presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, no Twitter — rede social intensamente usada pelo político mesmo após ser eleito para um dos cargos mais importantes do mundo.

"Trump me bloqueou de ler seus tuítes. Talvez eu tenha que me matar", ironizou King. De uns tempos para cá, o autor vem fazendo diversas críticas a Trump no Twitter. Em outubro, antes das eleições, por exemplo, ele publicou: "Escrevi minha nova história de terror: era uma vez um homem chamado Donald Trump, e ele concorreu à presidência. Algumas pessoas queriam que ele ganhasse".


Nas últimas semanas, porém, King intensificou a postura. "Logo quando você pensa que Trump não pode fazer nada mais estúpido do que contrabandear armas para os sauditas, ele deixa o Acordo de Paris" e "Nosso presidente idiota parece ter confundido o que é 'politicamente correto' com o que é 'inconstitucional" são alguns dos exemplos. O último, que parece ter sido a ponta do iceberg para Trump, foi: "O gabinete de Trump oferece curso de pós-graduação em puxa-saquice".


Após a descoberta, King recebeu o apoio de outros críticos de Trump, como a também escritora J.K. Rowling, da saga "Harry Potter", que disse: "Eu ainda tenho acesso (ao Twitter de Trump). Vou mandar uma mensagem direta a ele para você". A produtora e roteirista Melissa Jo Peltier fez coro: "Parabéns, senhor. Provavelmente ele é a única pessoa no mundo livre que não sabe quem é você, já que ele não lê".


quarta-feira, 31 de maio de 2017

Novo livro de Thalita Rebouças aborda preconceito


Davi é um garoto carioca de 16 anos que começa a viver todas as angústias da adolescência: paixões, amizades e, no seu caso particular, a descoberta da própria sexualidade. Interessado por ciência e astrologia, o protagonista de "Confissões de um garoto tímido, nerd e (ligeiramente) apaixonado" (Ed. Arqueiro), novo livro da escritora Thalita Rebouças, passa por situações nada fáceis na busca para entender seus próprios sentimentos.

Thalita conta que o livro nasceu de um pedido dos fãs. Davi é um dos melhores amigos de Tetê, a protagonista do seu romance anterior, "Confissões de uma garota excluída, mal-amada e (um pouco) dramática)" (Ed. Arqueiro). Agora, Tetê é uma "coadjuvante de luxo" de Davi, nas palavras da autora.

Para Thalita, após tratar de bullying no primeiro "Confissões", este era o momento de falar sobre preconceito e quebra de tabus. Zeca, outro personagem importante dos dois livros, também ganhar um livro seu em novembro.

- A Tetê foi a primeira vez que eu falei muito de bullying, é o assunto da primeira à última página. O Davi trata de questões que eu queria abordar: a descoberta da sexualidade, a relação com a família - diz a autora. - Tratar deste assunto é urgente. A homofobia, o Brasil ser o campeão de crimes contra gays e lésbicas. Não pode. Eu escrevo para essa galera, eles me leem, me ouvem. Eu precisava falar disso.

Fonte: O Globo

sábado, 27 de maio de 2017

Prêmio Pólen de Literatura com inscrições abertas

Vencedor terá seu livro publicado além de levar para casa R$ 10 mil

Todo mundo tem uma história para contar. Partindo dessa premissa, a Suzano, fabricante do papel Pólen, em parceria com a Arqueiro (Sextante), abriu as inscrições para o Prêmio Pólen de Literatura. Podem concorrer obras de ficção (romances, suspenses, policiais ou thrillers) inéditas e escritas originalmente em português por um escritor brasileiro, nato ou naturalizado. O vencedor ganha, além de um prêmio de R$ 10 mil, uma cota de 300 exemplares de seu livro que será publicado pela editora. As inscrições se encerram no dia 30 de junho e podem ser feitas clicando aqui


terça-feira, 9 de maio de 2017

Jojo Moyes defende que suas histórias de amor são também políticas

Escritora que mais vendeu no Brasil no ano passado vem ao país pela primeira vez


“O que aconteceu com a minha vida?” Essa é a pergunta que a escritora britânica Jojo Moyes se faz todos os dias ao acordar, desde que seu romance “Como eu era antes de você” (Intrínseca), de 2012, se tornou um best-seller mundial e foi adaptado para o cinema. Apesar de ter sido lançado no Brasil em 2014, o livro virou uma febre no país apenas no ano passado, na esteira do filme protagonizado por Sam Claflin e Emilia Clarke. Foram 352.330 exemplares vendidos — mais que o dobro de “Harry Potter e a criança amaldiçoada” (Rocco) —, garantindo o posto de campeão de vendas em 2016. “Depois de você” (Intrínseca), a continuação de “Como eu era...”, ficou em terceiro lugar, e Jojo foi a autora mais vendida no ano. Seus 11 livros publicados no país somam mais de 2 milhões de exemplares vendidos.

A autora repetiu mentalmente a mesma pergunta ao acordar, ontem, na suíte de um hotel cinco estrelas na Zona Sul. A vista da Praia de Ipanema nas primeiras horas da manhã deixou Jojo embasbacada e ela não conseguiu dormir mais. Na sua primeira visita à América do Sul, para dois encontros com fãs promovidos por sua editora no Rio e em São Paulo, a escritora, de 47 anos e mãe de três filhos, ainda se surpreende com a vida de autora popstar.

— Nas redações da imprensa inglesa, costuma-se dizer: seja legal com todo mundo quando você está subindo, porque você não sabe quem vai encontrar quando estiver descendo. É como eu me sinto em relação à vida — diz Jojo, que trabalhou durante dez anos como jornalista antes de se dedicar exclusivamente aos romances, em entrevista ao GLOBO, na tarde de ontem, na suíte onde está hospedada. — Esta é uma vida muito legal, as pessoas são muito legais com você. Mas, quando você é mais velho, sabe que teve muitas experiências antes de chegar ali e que isso pode acabar no dia seguinte.

SUCESSO TARDIO

A fala realista da autora não é à toa. O sucesso chegou na sua vida quando ela já não o esperava mais. Após oito livros lançados, seu editor não gostou da ideia para “Como eu era antes de você”: uma ex-garçonete consegue um emprego de cuidadora de um homem rico, inteligente e bonito que ficou tetraplégico após um acidente de moto, os dois se apaixonam, mas o mocinho não suporta a sua condição e decide pôr fim à própria vida por meio da eutanásia. A trama não tem um final feliz e aborda um assunto tabu em todo o Ocidente. Quem encorajou Jojo a seguir em frente foi seu marido, com uma frase exemplar do humor negro britânico: “Esse será o livro que finalmente vai acabar com a sua carreira”. Não só não acabou com a carreira dela como deu origem a duas continuações. Após “Depois de você”, Jojo está terminando de escrever o terceiro e último volume protagonizado pela ex-garçonete Louisa Clark.

— Eu não esperava ter nenhum leitor para “Como eu era antes de você”. Eu consigo entender por que meu editor não gostou muito da minha ideia. Eu não sabia se o livro seria publicado. Meu marido me encorajou a escrever o livro e depois pensar nisso. Eu falei que isso significava ficar um ano trabalhando sem ganhar nada. Ele respondeu que a decisão era minha. Eu escrevi “Como eu era antes de você” com a certeza de que, se ninguém quisesse publicar, eu ia colocá-lo na internet. Era uma história que eu precisava contar — diz Jojo.

A autora afirma ter ficado muito surpresa com a repercussão do livro no Brasil. Por ser um país bastante religioso, um romance que aborda a eutanásia poderia afugentar potenciais leitores. Mas não foi isso que aconteceu. Jojo afirma que foi muito cuidadosa ao escrever a história e arrisca uma explicação para tamanho sucesso:

— Eu nunca achei que o livro fosse se tornar popular num país como o Brasil. A primeira coisa que meu pai me disse quando escrevi o livro foi: “Você vai arrumar problemas”. Eu fui muito cuidadosa na escrita, busquei olhar a situação por todos os ângulos. Eu estava interessada em pensar sobre quem vive uma situação desse tipo, se você é alguém que decide colocar fim na própria vida pela eutanásia ou ama alguém que toma essa decisão. O que acontece com as pessoas que vivem uma situação dessas? Não se trata de certo ou errado.

HERANÇA JORNALÍSTICA

Jojo acredita que herdou do jornalismo esse interesse pelas experiências extraordinárias das pessoas comuns. A maioria de suas protagonistas são mulheres da classe trabalhadora. Cuidadoras, faxineiras, garçonetes, que, em geral, aparecem na literatura apenas como vítimas de assassinatos ou obcecadas por bolsas de marca, segundo ela. A autora conta que se identifica com as suas personagens.

PUBLICIDADE

— É muito importante para mim contar essas histórias porque eu fui essa mulher. Hoje não mais, mas eu já fui como elas — lembra Jojo. — Se você escreve ficção nos tempos atuais e ignora o fato de que, para muitas pessoas, ganhar dinheiro suficiente para viver é uma preocupação diária, então não acho que você esteja refletindo a vida. Eu tento narrar a vida comum, mas ao mesmo tempo introduzir alguns elementos dos contos de fada, da magia, do extraordinário. É nisso que eu estou interessada.

Bastante ativa nas redes sociais, não é difícil encontrar publicações da autora sobre temas quentes da política atual, como as eleições na França, anteontem, a disputa partidária inglesa e a saída do Reino Unido da União Europeia. Jojo recusa o rótulo de autora de “histórias de amor” e afirma que a política está sempre presente. A cada vez que começa a escrever um romance, ela pensa que tipo de mensagem aquela história vai passar:

— O pessoal é político. Se escrevo um livro de não ficção sobre como os ricos estão ficando mais ricos e os pobres, mais pobres, quem vai ler? E se eu escrevo um livro sobre uma mulher com um filho talentoso que merece uma chance melhor na vida, e um homem que teve todas as oportunidades, mas não conseguia ver isso? O que acontece quando essas duas visões de mundo se encontram? — questiona, referindo-se à trama de “Um mais um” (Intrínseca). — Na Europa, há uma enorme falta de empatia com a posição do outro. A ficção tem o papel de promover a empatia. Eu não consigo imaginar como ser um autor e não tocar na política.


Fonte: O Globo

segunda-feira, 8 de maio de 2017

Eduardo Cunha, o editor

O ex-parlamentar abriu uma editora dois dias antes de ser preso no Paraná


A Folha de S. Paulo revelou, em matéria publicada no último domingo (8), que o ex-parlamentar Eduardo Cunha abriu uma editora dois dias antes de ser encarcerado pela Polícia Federal, em Pinhais, na Região Metropolitana de Curitiba. Também antes de ser preso – e depois de cassado -, Cunha vinha tendo negociações com editoras para a publicação de seu livro de memórias que, segundo as palavras do próprio, “abalaria a República”. Segundo a reportagem, a Eduardo Cunha Atividades Intelectuais, nome dado à empresa cuja atividade principal é a edição de livros, foi criada no dia 17 de outubro do ano passado, no mesmo dia em que Cunha teve um encontro com Paulo Tadeu, proprietário da Matrix para negociar a publicação do seu livro. De acordo com o que disse o advogado do ex-deputado à Folha, a editora foi aberta para “administrar a publicação do livro”.

Nos últimos meses, os leitores do PublishNews acompanharam a saga de Eduardo Cunha contra o Grupo Editorial Record. O ex-parlamentar levou a editora aos tribunais pedindo que fossem suspensas a distribuição e comercialização do livro Diário da cadeia, escrito sob o pseudônimo de Eduardo Cunha. Na justificativa, a banca composta por Cunha dizia que era público o interesse do autor da ação em escrever um livro e que o uso do pseudônimo na obra poderia levar o leitor a entender que o livro publicado pela Record seria o mesmo que está sendo preparado por Cunha. O ex-parlamentar não obteve sucesso e o livro está sendo comercializado normalmente nas melhores casas do ramo.

Fonte: PublishNews




Rita Lisauskas, blogueira do 'Estadão', lança o livro 'Mãe Sem Manual'

Obra é inspirada em suas experiências maternais


Quando uma mulher se torna mãe, uma das coisas que ela mais ouve são conselhos de pessoas próximas - ou não - de como agir ‘corretamente’ com o bebê. Como se o que deu certo para elas fosse a fórmula mágica a ser seguida por outras mães. Não é assim. Algo que funciona com uma não pode necessariamente funcionar com outra. Para se aprofundar nesse e em outros temas da maternidade real, a jornalista Rita Lisauskas, de 40 anos, e mãe de Samuel, de 7, se dedicou, desde o ano passado, a seu livro Mãe Sem Manual (Ed. Belas Letras; R$ 39), que foi lançado sábado, 6, na Livraria Cultura do Conjunto Nacional. 

Com Mãe Sem Manual, Rita diz que quer que as mães se sintam abraçadas. “Nada na vida é só querer. Você pode ter toda a informação, pode ir atrás, e pode não rolar para você. Acho que o livro vem para falar isso. Estou te falando que é isso e aquilo, mas, se não rolar, tudo bem, não dá para fazermos tudo do jeito que planejamos”, defende Rita, em entrevista ao Estado.

“Acho que tem duas diferenças: uma coisa é você ser enganada, perseguir falsos mapas e cair lá no final; outra é você ter informação e, mesmo assim, não dá para você. Ou, então, você pode até não querer: sei que é melhor, mas para mim não dá. ‘Ah, você tem de tentar’, mas, de repente, você não quer. E aí? Se a gente fala ‘meu corpo, minhas regras’, a gente fala isso para tudo. Não estou aqui para julgar ninguém, estou para dar informação. Tentei deixar isso claro: existem mulheres que não querem e ok, e tem que respeitar. Porque, se a ideia é ser sem manual, quem sou eu para falar que tem de ser de um jeito ou de outro?”, emenda a jornalista, que é blogueira do portal do Estado, criadora do blog Ser Mãe é Padecer na Internet.

E isso envolve desde decisões mais corriqueiras quanto mais importantes - e que, muitas vezes, geram discussões mais acaloradas nas redes sociais -, como parto normal ou cesárea. “Claro que ninguém é ‘menos mãe’ ou ‘mais mãe’ porque teve um parto ou outro, isso é bobagem”, escreve Rita no capítulo O Fla-Flu do Parto. 

Com divertidas ilustrações de Thaiz Leão, do projeto Mãe Solo, o livro foi escrito por Rita a partir de suas experiências como mãe, mas também com ajuda de depoimento de outras mães e de informações obtidas com especialistas de diversas áreas, como pediatras, obstetras e advogados. 

Com textos em tom de cumplicidade e bem-humorados, feitos especialmente para o livro, Rita segue uma espécie de ordem cronológica na vida da mãe, desde quando ela descobre que está grávida, passando pela amamentação, pós-parto, a volta ao trabalho, e, encaminhando, nas páginas finais, para os 365 dias da mulher como mãe - ou, como diz Rita, “o primeiro ano de aniversário da mãe” - e a importância do pai nesse contexto - “ele é o parceiro dessa mulher, não é o cara que ajuda, ele é o cara que tem de ir junto”. 

Objeto místico. Para reforçar a ideia de que a vida da mãe não tem manual, no capítulo Era Uma Ótima Mãe, Até Que Meu Filho Nasceu, Rita conta que ela e o marido tinham decidido que o filho, carinhosamente chamado de Samuca, não iria usar chupeta. Até que em uma madrugada, às 3 horas da manhã, nada o fazia se acalmar. Ela, então, começou a jogar no chão tudo o que estava no guarda-roupa em busca da chupeta perdida que uma amiga, não sabendo da decisão do casal, tinha dado de presente. E eis que encontrou o “objeto proibido e místico”. “As pessoas que são privadas de uma noite boa de sono são capazes de tudo, até de abrir mão de suas convicções pessoais”, ela escreve. E, algumas linhas adiante, faz uma metáfora certeira: “Maternidade é como o Waze: é preciso recalcular a rota o tempo todo”.

Um dos temas de Mãe Sem Manual que mexe particularmente com Rita é a amamentação. No capítulo Quem Ensina as Mães a Amamentar? Ninguém, ela relata como a falta de informação sobre o assunto, na época do nascimento do filho, a privou de amamentar seu Samuel como desejava. “A discussão sobre o parto está ao alcance de todo mundo, e a gente ainda está falando menos da amamentação. Então, às vezes, as mulheres estão lutando pelo parto e esquecem que depois tem a amamentação”, diz Rita. “Se, na época que seu filho nasceu, existissem as comunidades de mães (nas redes sociais) das quais participo hoje, eu, por exemplo, teria procurado ajuda para amamentar, porque ninguém me falou nada sobre amamentação durante meu pré-natal. Achei que era colocar meu filho no peito e ele ia mamar.” 

O livro de Rita segue na esteira de seu blog, que, por sua vez, nasceu de uma série de postagens que fazia no Facebook. E o que ela diria hoje para as mães de primeira viagem? “Eu diria: estamos juntas, é difícil para todo mundo, é maravilhoso também. Eu não queria ir para o lado do terrorismo, mas tudo o que é real é verdadeiro. Uma das únicas coisas que os palpiteiros falam que é real é aquela coisa do ‘aproveita que passa rápido’.” 

Fonte: O Estadão

terça-feira, 2 de maio de 2017

A insustentável (e de cara nova) leveza do ser

Companhia das Leras publica nova edição de ‘A insustentável leveza do ser’, de Milan Kundera


Em A insustentável leveza do ser (Companhia das Letras, 344 pp, R$ 54,90 – Trad.: Teresa Bulhões Carvalho da Fonseca), que é sem dúvida um dos romances mais importantes do século XX, ficção e filosofia se entrelaçam por meio da história de quatro adultos capazes de quase tudo para vivenciar o erotismo que desejam para si. Como limite, encontram um tempo histórico politicamente opressivo e o caráter enigmático da existência humana. Infidelidade, amor, compaixão, eterno retorno, acaso e arbítrio são alguns dos grandes temas que Milan Kundera articula num romance de ideias e paixões, em que o leitor percorre conceitos filosóficos de braços dados com cada um dos personagens — Tereza, Tomas, Sabina e Franz — e acompanha suas histórias de vida com a profundidade de um estudo. O resultado é uma obra em tudo original, um clássico da literatura contemporânea.

Fonte: PublishNews

terça-feira, 18 de abril de 2017

Editora Nocaute quer dar mais espaço a novos escritores brasileiros

Criada por Maik Bárbara e Vilto Reis, editora quer ir além e projeta traduzir seus livros inglês, mandarim, espanhol e francês



Dono do site Homo Literatus e finalista do Prêmio SESC de Literatura de 2015, o autor Vilto Reis, em parceria com Maik Bárbara, que atua com o comércio exterior, decidiram criar a Editora Nocaute.

Segundo os cabeças do projeto, o objetivo da Nocaute é publicar escritores brasileiros ainda desconhecidos, ou seja, revelar novos nomes na literatura nacional a fim de projetá-los e apresentá-los aos leitores, tanto no Brasil como no mundo. “Temos um projeto de tradução para o inglês, mandarim, espanhol e francês, e esperamos, por meio de e-books, atingir um público no exterior interessado em ler coisas diferentes”, ressalta Vilto.


Para lançar o primeiro livro da casa, Um gato chamado Borges, escrito pelo próprio Vilto, a editora apostou no financiamento coletivo em um projeto do Catarse, que passou a meta em mais de R$ 2 mil. Para os próximos meses, a editora já tem suas apostas: A verdade por trás das lendas, uma antologia sobre o folclore brasileiro, e John McLoving e a busca do mijo da vida, romance do escritor Mickael Menegueti. A Nocaute também é responsável pela revista literária Pulp Fiction idealizada por Jefferson Figueiredo.

segunda-feira, 10 de abril de 2017

Nicholas Sparks fala sobre 'Dois a Dois', novo livro que chega ao Brasil


Poucos escritores se encaixam tão bem na categoria de best-seller como Nicholas Sparks. Com 20 anos de carreira, o norte-americano já vendeu mais de 100 milhões de cópias dos 19 livros que lançou. Desses, 11 foram adaptados para o cinema, viraram sucesso de bilheteria e alguns até podem ser considerados clássicos do romance, como Um Amor para Recordar e Diário de Uma Paixão.

Agora, porém, o escritor decidiu navegar em outras águas. Em vez do romance entre jovens apaixonados, fórmula que o consagrou, ele decidiu investir no drama familiar: em Dois a Dois, livro que acaba de chegar ao Brasil, Sparks conta a história de Russ, um homem que vê sua vida desmoronar e que precisa assumir, sozinho, os cuidados de sua filha London, de apenas 5 anos. “É uma história sobre paternidade”, resume Sparks, que é pai de cinco filhos e que acaba de terminar um casamento de 25 anos. 

No Brasil, a impressão que fica é que os fãs não se importaram com o distanciamento de Sparks do romance. Na última semana, uma livraria em São Paulo foi tomada por centenas de jovens emocionados com a presença do escritor. Em apenas uma noite, foram mais de 1,2 mil livros autografados. Como resultado, um sorriso inabalável em seu rosto, apesar do cansaço.

Ao Estado, Sparks, aos 51 anos, falou sobre seu novo livro, sobre as suas inspirações para escrever tantas histórias, sobre novos projetos e sobre ser tachado de escritor “água com açúcar”. A seguir, os melhores trechos da conversa:

O que o sr. espera que as pessoas sintam com a história de ‘Dois a Dois’? O que quer falar com esse livro? 
É um livro sobre o amor de um homem por sua filha, com os medos naturais de um pai que tenta ser bom para ela. Mas a trama central, que inspirou o título do livro, é a ideia de que as pessoas não são feitas para percorrer caminhos sozinhas. O mundo é mais fácil quando você tem alguém do seu lado, seja sua família, um amigo ou filhos. Apenas pessoas que se importam com você. São essas duas ideias principais: a paternidade e a necessidade de ter alguém do seu lado.

A história é surpreendente para quem acompanha o seu trabalho. Ela tem um pouco de romance, mas é mais dramática. De onde veio esse desejo de escrever uma história sobre um drama familiar? 
Dramas familiares sempre fizeram parte dos meus romances. É fácil pensar sobre os meus livros como sendo apenas histórias de amor, mas é muito mais do que isso. Minhas histórias são mais do que romances, e tem sido muito mais do que isso ao longo de toda a minha carreira. Para mim, é natural escrever sobre um drama familiar. Ele envolve as principais emoções que sentimos e eu acho que, se você as coloca numa história, você ecoa as emoções nos leitores. E com isso eles tendem a lembrar da história muito depois de terminar de ler.

Em ‘Dois a Dois’, temos duas personagens homossexuais. Mas até hoje não tivemos nenhuma obra sua com personagens principais gays. O sr. pensa em fazer algo assim? 
Esses personagens refletem a realidade e eu gosto de romances que refletem a realidade. Tenho familiares que são gays, eu trabalho com homossexuais, e eles acabam nos meus livros. É um movimento natural e isso deve continuar a acontecer.

O sr. não sente vontade de escrever livros de diferentes gêneros?
Tenho curiosidade de saber como seria um livro policial escrito pelo sr., ou até mesmo um conto de terror. 
É interessante, mas não tenho vontade. Afinal, quando eu escrevo dramas, eu sempre coloco elementos de outros gêneros na história. Meu último livro, No Seu Olhar, se transforma em suspense em determinado momento da história. Na última metade do livro, as pessoas até se perguntam: ‘Cadê o meu romance?’. Já consegui usar suspense, elementos sobrenaturais e até mesmo faroestes em minhas histórias. Não tenho motivo para mudar completamente para um outro gênero literário.

Mas o sr. recebe críticas por ser muito ‘água com açúcar’, não é? 
Eu não penso nisso.

Nunca? 
Quando escrevo um livro, sei que é o melhor trabalho que posso fazer. Se a minha agente e o meu editor estão felizes com a história, sei que é o melhor resultado que poderia ter. Fico feliz com as minhas histórias, independentemente do que as pessoas digam ou das críticas que meu livro recebe.

E você faz muito sucesso no cinema com essas histórias? 
Sim, tive muitos livros adaptados para o cinema. E eu não sei o motivo. Quando Uma Carta de Amor estreou, rendeu mais de US$ 50 milhões de bilheteria e logo começamos a fazer outro filme. E aí fizemos Um Amor para Recordar e foi um sucesso. Arrecadou cerca de US$ 60 milhões, enquanto gastamos US$ 6 milhões. E a partir daí, um sucesso leva a outro. 

Qual o segredo para isso? 
Meus filmes possuem papéis interessantes para atores, o que atrai bons nomes para minhas produções. É divertido fazer um filme de aventura ou um filme da Marvel, mas esses personagens não possuem alcance. Por isso, bons atores querem atuar em meus filmes e, talvez por isso, eles fazem tanto sucesso.

Você participa da produção dos filmes? 
Sempre me envolvo muito. Fico muito envolvido durante o processo de criação, trabalhando com o diretor, me envolvendo com o elenco. E, quando o filme começa, eu deixo os diretores e os atores fazerem seus trabalhos.

Você tem planos de adaptar ‘Dois a Dois’ para o cinema? 
Esse é um tipo de história pela qual eu tenho muito interesse em adaptar para o cinema. Mas não é algo imediato.

Qual o sentimento de fazer parte da vidas das pessoas? Afinal, ‘Diário de Uma Paixão’, por exemplo, marcou uma geração.  
É um dos melhores sentimentos do mundo. É muito honroso ter fãs de 15 anos ou 90 anos. Nos lançamentos dos meus livros, encontro mães, filhas, avós. Todas com meus livros. Fico feliz por ter sido capaz de ultrapassar gerações.

Quais são seus planos futuros? 

Estou trabalhando num romance, espero terminá-lo até julho. E espero começar outro em seguida, se tiver uma ideia. Mas claro, ainda tenho vida. Tenho filhos, filmes. Não posso parar. 

Fonte: O Estadão

quarta-feira, 5 de abril de 2017

Livros infantis de Chico Buarque e Ziraldo são relançados

'Saltimbancos' e 'Chapeuzinho Amarelo' estão sendo reeditados pela editora Autêntica



Há quarenta anos, aprendemos que “o melhor amigo do bicho é o bicho” e que a exploração dos animais pelo homem não passaria mais desapercebida. Na mesma época, fomos apresentados a uma menina acanhada que descobriu que valia a pena encarar o tão temido lobo das historinhas e, assim, deixar para trás “o medo do medo do medo” daquilo que a paralisava.

Saltimbancos e Chapeuzinho Amarelo, os dois livros infantis de Chico Buarque e Ziraldo, estão sendo reeditados pela editora Autêntica na condição de clássicos da literatura para crianças no Brasil. Já foram vendidos mais de dois milhões de cópias, levando-se em conta as remessas para escolas e empresas e o varejo. O campeão é Chapeuzinho, de 1970, que Chico dedicou às suas filhas Luísa, Silvia e Helena e a outros pequenos, e que chega à sua 40.ª edição. 

Tanto o escritor quanto Ziraldo foram premiados: ainda com ilustrações originais de André Letria, o livro, em 1979, ganhou o selo de “altamente recomendável para crianças” da Fundação Nacional do Livro Infantil e Juvenil; em 1998, Ziraldo recebeu o Jabuti por seus desenhos. 

Já a fábula de Saltimbancos, inspirada em Os Músicos de Bremen, dos irmãos Grimm, alcançou o livro em 2007, numa comemoração dos 30 anos de sucesso da peça. A responsável pela união do texto de Chico e do traço e do colorido do pai do Menino Maluquinho foi a editora Maria Amélia Mello. 

À época na José Olympio, ela agora teve o aval dos autores para o relançamento dos dois títulos na Autêntica, da qual é editora. “Foi Ziraldo que deu a cara da Chapeuzinho que todo mundo conhece. Essa dobradinha nos dois livros foi muito oportuna, os textos têm humor e o Ziraldo trouxe mais ainda”, ela analisa.

O livro dos Saltimbancos tem os diálogos e as músicas da peça. A adaptação de Chico para o disco infantil I Musicanti, dos italianos Sergio Bardotti (versionista do compositor para o italiano) e Luis Enriquez Bacalov, é bem mais conhecida como musical do que como livro. Em 40 anos, os temas Bicharia, História de Uma Gata e Todos Juntos Somos Fortes já circularam por palcos de todo o Brasil. 

Só a atriz Maria Lúcia Priolli, que dirige a montagem em cartaz no Rio, tem 25 anos como a Gata. São mais de 2 mil apresentações, no teatro e em sessões em festas e em escolas. “Já encenamos para a classe A e em favelas, e a magia é a mesma. Ela vem das músicas e das temáticas: o respeito ao próximo, a cidade ideal com que a gente sonha. Todo pai e mãe têm vontade de passar isso para o filho. A peça não trata a criança de forma tatibitate”, acredita a atriz e diretora. “Eu entro no palco e saio sempre melhor, mais feliz.”

A saga do jumento, da gata, do cachorro e da galinha surgiu primeiro em disco, como relembrou Chico ao site Pecinha é a vovozinha!, do jornalista e dramaturgo Dib Carneiro Neto. “Eu trouxe da Itália as bases e propus à minha gravadora lançar um disco infantil. Toparam, ficava em conta. Havia pouco mercado para músicas infantis. Nem Xuxa tinha ainda. Era uma novidade aqui”, contou, tendo como gancho os 40 anos da primeira encenação. “(O êxito) foi uma surpresa para todo mundo, até para os autores, porque o disco italiano não fez muito sucesso e não foi para o teatro. Aqui a história vingou, sabe-se lá por quê.”

Os temas ganharam ainda mais brilho no formato sinfônico, com a Orquestra Petrobras Sinfônica. Lançado em CD, o espetáculo, com arranjos do violinista Mateus Freire, fez sucesso em temporada carioca, sob a regência do maestro Felipe Prazeres, e há planos de seguir viagem. 

CHAPEUZINHO AMARELO
Editora: Autêntica
Preço: R$ 37,90

SALTIMBANCOS
Editora: Autêntica 
Preço: R$ 37,90


Fonte: O Estadão